LIBÉLULAS DE VIDRO

LIBÉLULAS DE VIDRO
uma celebração às durações efêmeras

Após refletir a morte em "Os Corvos", a primeira criação de duas do Projeto Diálogos Alados - Colóquios sobre a Morte, "Libélulas de Vidro - uma celebração as durações efêmeras" tem como inspiração a poética tarefa de refletir a vida como um sistema tramado por constantes construções e demolições. Se para a primeira obra, junto ao coreógrafo Luis Arrieta, a morte foi o tema disparador, em Libélulas, agora junto aos artistas Andreia Yonashiro, Daniel Fagundes, Daniela Dini e Hedra Hockenbach, mergulhamos em possíveis concretudes e subjetividades contidas nesse espaço de tempo envolvendo nascimento e morte. Cartografias e durações responsáveis por desenhar essa paisagem incerta a qual nomeamos de vida.

Ficha Técnica
Direção e Composição: Luis Ferron
Com Andreia Yonashiro, Daniela Dini, Daniel Fagundes e Luis Ferron
Composição de som e luz: Hedra Rockenbach
Produção Executiva: Núcleo Corpo Rastreado


Projeto contemplado pelo 20º Programa de Fomento à Dança para a cidade de São Paulo.




Luis Ferron
Visitante n.º 0016135 | Copyright © 2020